Claudia Schmidt — ARTIST






Claudia Schmidt

Entrevista com a artista digital Claudia Schmidt —

1.Fale um pouco sobre você.
Familiarizei-me com as técnicas da pintura clássica na adolescência, mas profissionalmente trilhei os caminhos da engenharia. Ainda como engenheira, frequentei os universos do design de interiores e do paisagismo, mas foi no projeto TV Digital, onde trabalhei como pesquisadora e projetista de interfaces para usuários, que exercitei a criação de conteúdos baseados na animação de formas geométricas e na agregação de fotos e cores. Dessa familiaridade com os softwares de produção de conteúdo, nasceu o impulso de me manifestar artisticamente por meio das ferramentas digitais.

 

“Totem”

 

2. Por que a arte?
Apesar de sempre pender para as ciências exatas, sempre fui apaixonada por história e pela arquitetura. O academicismo no qual fui formada me intimidava e engessava e isso foi um empurrão para as ciências exatas, onde a precisão e a objetividade são essenciais, refletindo-se fortemente na minha maneira de ser. Até que descobri que precisava temperar esta característica para ser uma pessoa mais feliz. A arte me ajuda a me conhecer e a me libertar cada vez mais da rigidez que trago na minha bagagem.

 

“Cambuí Campinas”

 

3. Qual é a sua lembrança mais antiga de querer ser uma artista?
Quando criança, consumia tudo o que era publicação de artes, sempre incentivada pela minha mãe que foi uma grande parceira nas criações e na invenção de modas. Lembro-me que eu dizia que gostaria de ser cenógrafa. Sonhava em elaborar e trabalhar nos cenários futuristas e psicodélicos de alguns filmas das décadas de 60 e 70.

 

“Multicolagem”

 

4. Quais são seus temas favoritos? E quais materiais utiliza?
Creio que a natureza seja o tema central do meu trabalho. Eu não invento nada, apenas vejo às vezes a natureza que me cerca de uma maneira que eu consiga reproduzir nos desenhos e com a ajuda das ferramentas digitais. O meu trabalho é reproduzido em telas ou papel e abre espaço para intervenções posteriores.

 

“Flor Bola”

 

5. Como você trabalha e aborda o tema de suas obras?
Trabalho procurando uma harmonia entre forma e cor que cause impacto ou surpreenda pela maneira como está sendo apresentada.

 

“Tulip Azul Tulipa Amarela”

 

6. Algum artista te inspira?
Muitos… Miró, Matisse, Picasso, Andy Wahrol, entre outros.

 

“Copos de Leite”

 

7. Quais são as melhores respostas que você teve ao seu trabalho?
A boa receptividade da parte de outros artistas e do público em geral, além da aprovação de uma obra em salão e convites para

8. O que você mais gosta sobre o seu trabalho?
O fato de gostar de fazê-lo, de me divertir e de aprender muito no processo.

Quais as suas principais participações em exposições? As 5 principais e mais recentes.

-Exposição coletiva-ON ART SPACE- de 06 a 13/04/2019 em NY/NY – Curadoria de Maria dos Anjos Oliveira.
-Exposição coletiva Aonde estão os outros…..?em 26/03/2019 em Subsolo Laboratório de Arte-Campinas/Sp/Brasil-Curadoria Elder Aleixo.
-Salão Batom,Lápis e Humor em 08/03/2019-Piracicaba/Sp/Brasil
-SPECTRUM Miami Art Show de 05 a 09 de Dezembro de 2018-Curadoria:Maria dos Anjos Oliveira.
-Arte Cadeira em 24/11/2018 em Sp/Sp/Brasil-Curadoria:Maria dos Anjos Oliveira.
-Salon International D´Arte Conteporain,relaizado no Carrousel du Louvre-Paris/França de 19 a 21 de Outubro de 2018-Curadoria Maria dos Anjos Oliveira.

 

“Flor Bola”

 

9. Que conselho você daria para outros artistas ou futuros artistas?
Gostar do que faz e do processo de fazer é o mais importante.

10. Onde você se vê daqui a 05/10 anos?
Em paz comigo mesma e num mundo mais leve, justo e colorido.

 

“Midnight Cow”

 

11. Planos para o futuro.
Chegar com saúde física e mental aonde quer eu tenha que chegar.

 

 

Claudia Schmidt

LINKS—

Website: https://cschmidt303.wixsite.com/ilustras
Facebook:  Claudia Povoas Schmidt
Instagram: @cschmidt303

 

 

Edmundo Cavalcanti

Edmundo Cavalcanti

 

Edmundo Cavalcanti é nosso colunista de artes para Arts Illustrated em São Paulo, Brasil.